O Começo – parte I


O começo – parte I

Criação2

No princípio de tudo eu criei os Céus e a Terra, porém ela estava sem forma, vazia, sem vida alguma. Ela era um caos. Seus elementos não possuíam propósitos e estavam todos submersos na escuridão. Mas ali estava eu, observando, pronto para começar. Transformar o caos em vida e fazer o que gosto de fazer, criar.

luz

Foi quando eu quebrei o silêncio, e com poder disse: Que a luz exista. Naquele instante eu comecei a construir. Dei forma àquele planeta sem vida e disforme. A luz realmente é muito boa e através dela muito poderia se fazer. Ela é o oposto da escuridão, portanto, onde uma está, a outra não pode resistir. A forma que eu dei a Terra lhe permitiu usufruir tanto da luz como da escuridão. Enquanto um lado do planeta está claro, outro está escuro, mas para que não fique claro apenas de um lado, criei um movimento específico da terra, onde ela gira em torno de si mesma. Com isso todo o planeta pôde ser banhado com a luz e com a escuridão em momentos diferentes. Eu chamei de dia os momentos claros e noite os escuros. Saiba que os dois momentos foram muito bons. Mas tudo isso era apenas o começo. A noite passou e então o dia, e quando a noite se aproximou novamente, marcou o fim do primeiro dia na Terra.

atmosfera

Lá estava eu, pronto para continuar a criar. Mas uma vez eu disse: Que exista a atmosfera. E lá estava ela. Calculei corretamente a porcentagem para cada gás, em sua maior parte oxigênio e nitrogênio. Transportei também parte da água para cima, assim, além de uma camada protetora de gás, criei outra de água. Isso possibilitou uma pressão adequada no planeta, o que resultaria também numa melhor qualidade de vida. Chamei a atmosfera de céu e mais uma vez a noite se aproximou colocando fim ao segundo dia da Terra.

terra e mar

Então, para as águas que estavam abaixo da atmosfera, ordenei que se juntassem em um lugar só para que aparecesse a porção seca. Tão logo ordenei e lá estava a porção seca que chamei de terra. E chamei de mar toda aquela água. Percebi quão bom foi tudo isso, pois eu tinha feito dois habitats especiais no planeta: o terrestre e o marítimo. Cada um com suas qualidades específicas, porém com um propósito em comum: sustentar a vida que eu criaria ainda naquele dia.

flores

Olhei para a terra e determinei que ela produzisse relva, ervas e árvores. Comecei a cobrir a terra com um verde lindo e vivo das gramas, logo apareceram flores coloridas, ervas diversas e árvores majestosas que enfeitavam e davam vida ao planeta. Projetei cada flor e cada folha, cada uma com seus tamanhos e aromas distintos, mas que exalavam vida. Os frutos coroavam esta última criação, verduras, legumes e frutas trouxeram ainda mais cor e sabor para a vida. E com as sementes, as plantas poderiam crescer e se multiplicar. Depois de todo esse trabalho vi que tudo era bom e belo, então a noite se aproximou mais uma vez, dando fim ao terceiro dia.

solQuando o quarto dia começou eu criei dois astros no céu. Criei uma estrela, o sol, para que, a partir daquele dia, a luz viesse dele. Até aquele momento a luz que separava os dias vinha de mim mesmo, porque eu também Sou a luz do mundo. Também criei a lua para que, ao refletir a luz do sol, pudesse também iluminar a parte escura do planeta. O sol agora governa o dia e a luz à noite. Fiz a Terra começar uma outra rota. Agora ela, além de girar em torno de si mesma, ela também gira em volta do sol, isso vai fazer com que haja as estações. Eu planejei a Terra para que ela ficasse um pouco inclinada, assim ela poderá ter quatro estações. Verão, outono, inverno e primavera, cada uma com suas peculiaridades para tornar o ambiente mais bonito e mais vivo.

luaDei também à lua a função de controlar as marés. E tudo isso fez o planeta ficar mais vivo. Logo vi que tudo estava perfeito e bom, e quando o sol declinou no horizonte, marcou o fim do quarto dia. Meu filho, não sei a quanto tempo você não faz isso, mas olhe para o pôr-do-sol. A cada fim de dia eu pinto novamente o céu de tons avermelhados, é sempre um espetáculo e fiz isso pra você.

peixesO quinto dia começou e todo o ambiente estava pronto. Preparei com cuidado e com carinho cada habitat e agora era a hora de trazer mais vida para este planeta. Eu comecei pelas águas dizendo: Que as águas se encham de muitos seres viventes! Eu planejei cada peixe, cada molusco, e cada ser dos mares. E dei a cada um uma função. Todo ser que existe, existe para um propósito, com um objetivo. Cardumes inteiros de peixes iam de um lado para o outro. Baleias, tubarões, polvos, todos vivendo em harmonia nos mares.

avesDepois olhei para os ares e disse: voem as aves pelo céu! E neste instante, o céu ficou repleto de aves de todas as formas. Grandes como a águia e pequenos como o beija-flor, todas elas voavam alegres. Deia a elas a capacidade de cantar e seu canto era como uma orquestra afinada ressoando por todo o planeta. Então eu disse para os animais do mar e do céu que se reproduzissem, se multiplicassem e enchessem a Terra. Olhei para cada espécie de animais marinhos e aves e vi que todos eram perfeitos, cada detalhe havia sido bem planejado e tudo era bom. E o sol se escondeu no horizonte e o quinto dia acabou.

Leia a continuação dessa história.

Direitos autorais. Artigo: Vagner Bruno | Foto: google.com.
Esse post foi publicado em Bíblia e marcado , , , , , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para O Começo – parte I

  1. Pingback: O Começo – parte II | Profeta Elias

Deixe um comentário.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s