O Maravilhoso Processo da Salvação


salvaçãoNotoriamente o apóstolo Paulo se destaca por seu afinco na pregação do evangelho. Desde a estrada de Damasco, este ex-perseguidor de cristãos, demonstrou sua genuína conversão aos pés de Cristo. Por sua paixão ao evangelho e por sua constante obra de pregação, Paulo sofreu muitas provações e privações em sua vida ministerial. Então, ao fim de sua terceira viagem missionária, ao chegar em Jerusalém este apóstolo é brutalmente agredido por seus perseguidores e em seguida preso pelo poder romano. Isso pode ser visto a partir do capítulo 21 de Atos. Contudo nosso assunto será exposto pelo seguinte texto de Lucas em Atos 24:23-25:

E mandou ao centurião que conservasse a Paulo detido, tratando-o com indulgência e não impedindo que os seus próprios o servissem. Passados alguns dias, vindo Félix com Drusila, sua mulher, que era judia, mandou chamar Paulo e passou a ouvi-lo a respeito da fé em Cristo Jesus. Dissertando ele acerca da justiça, do domínio próprio e do Juízo vindouro, ficou Félix amedrontado e disse: Por agora, podes retirar-te, e, quando eu tiver vagar, chamar-te-ei; […] Atos 24:23-25 ARA

Ao passar dos dias, Paulo se defende perante seus acusadores na presença do governador Félix. Segundo o historiador Tácito, Antônio Félix foi procurador da Palestina em 53 AD e sua administração era notória pela crueldade, cinismo e corrupção. Conforme o historiador, Félix se deleitava na crueldade e na luxúria. E foi para este homem que Paulo não apenas se defendeu, mas também teve a oportunidade de pregar mais uma vez.

O que poderia falar Paulo, em breves palavras, para este governador em especial? O que dizer dentre todo o seu conhecimento bíblico? Qual assunto era mais importante para salvar a vida do governador Félix? Ao falar de Jesus Cristo, Paulo escolheu o assunto que mais importa em toda a Escritura: a salvação do homem. Ao discorrer sobre a justiça, o domínio próprio e o Juízo vindouro, Paulo descreveu o maravilhoso processo da salvação: justificação, santificação e glorificação. E esta lição paulina pode ser aprendida por nós hoje.

A SALVAÇÃO COMEÇA COM A JUSTIFICAÇÃO

Félix pode ter se amedrontado por diversas razões, dentre as quais sua condição perante o Rei dos Reis. Como o texto de Romanos 3:23 afirma, todo ser humano pecou e carece da glória de Deus. Isso incluía a Felix e a nós hoje. Cada ser humano desse planeta, desde o primeiro até o último, está na condição de pecador diante de Deus. Essa é uma situação que muitos desconhecem sobre si mesmos, entretanto é o primeiro passo para alcançar a salvação. Mas para que alcançar a salvação? Devemos ser salvos de quê? Da morte. O que Félix começou a entender é que como pecador, a única recompensa que haveria para ele era a morte assim como Romanos 6:23 declara, “porque o salário do pecado é a morte […]” (ARA). Essa também é a nossa recompensa como pecadores, contudo Deus instituiu um meio pelo qual pudéssemos escapar dessa sentença final. Deus enviou seu Filho para que morresse em nosso lugar e pagasse nossa dívida de pecado (Jo 3:16).

Cristo faz uma troca: a vida de justiça dele pela nossa vida de injustiça e pecado. Assim somos justificados, quando aceitamos o plano divino, quando aceitamos o sacrifício de Jesus por nós e sua vida justa em lugar de nossa vida pecadora. Isso soa bem a qualquer ouvido humano e o deve ter sido também para Félix. Este governador cruel e corrupto pode ter pensado: meus problemas com a Divindade acabaram; basta eu aceitar o sacrifício de Cristo e serei salvo. No entanto, Paulo continuou seu discurso afirmando que nada do que fizéssemos poderia nos salvar a não ser aceitar o plano de Cristo. Isso é justificação pela fé (Rm. 3:28), aceitar a Jesus como Salvador pessoal e permitir que ele me justifique com sua vida justa (Rm. 3:3-6).

Por isso, a real necessidade do homem de salvação começa por permitir que Cristo o justifique, não por seus próprios méritos, mas pelos méritos dele, Jesus Cristo.

A TÃO INCOMPREENDIDA SANTIFICAÇÃO

A esse ponto, devo imaginar, Félix se empolgou com o discurso de Paulo. Uma vida de pecados com uma sentença mortal cambiada por uma vida de justiça com recompensas celestes e eternas. É o sonho para qualquer ser humano. Contudo Paulo continua seu sermão falando sobre o processo da salvação.

Ele começa a dizer que não há mais condenação para aqueles que estão em Jesus Cristo (Rm. 8:1), aqueles que, por ele, foram salvos através do seu sacrifício. E nessa hora Félix percebe que o processo da salvação não é um ponto na história, mas uma linha contínua pela vida inteira. Ele começa a entender que o cristão, uma vez salvo por Cristo, começa a viver com uma luta dentro de si e que precisa, dia a pós dia, decidir andar no Espírito (Rm. 8:9) e não mais na carne. São duas naturezas brigando por espaço, tentando controlar a vida de cada homem.

Félix era um grande governador, como poderia permitir um conflito tão grande dentro de si. Essa ideia de luta constante pareceu estranha a esse líder político, ainda mais quando seu prisioneiro disse que aquele que vive no Espírito também produz frutos desse mesmo Espírito. Paulo passou então a descrever os grandiosos frutos do Espírito: amor, alegria, paz, paciência, integridade, bondade, fidelidade, mansidão e domínio próprio. Como alcançar este alto padrão espiritual? Esse pode ter sido o pensamento de Félix e também o seu. Que forças tenho eu para permanecer no Espírito e produzir seus frutos?

Lutero em suas 95 Teses sobre justificação pela fé declara: “O único esforço deliberado na vida cristã é buscar a Deus. Disso resultarão esforços espontâneos para outras coisas.” (Tese 22).

O ser humano custa entender que a salvação é apenas pela fé em Jesus, mas quando a alcança esquece que a salvação é um processo contínuo. Assim como, para sermos justificados, dependemos única e exclusivamente de Jesus, assim também o é na segunda etapa da salvação, a santificação. Muitos pensam: Fui salvo por Jesus agora tenho que me esforçar em ser obediente a ele. Este parece um pensamento lógico e de fato é muito digno, porém altamente equivocado.

Quando assim pensamos, estamos dizendo: Senhor muito obrigado por me salvar, mas agora eu quero fazer a minha parte e te obedecer. Contudo quanto mais eu tento obedecer tanto mais desobedeço.

Félix ficou com medo do sermão de Paulo porque não entendeu que o cristão precisa continuar a depender exclusivamente de Jesus para a sua salvação, quer seja para ser justificado, quer seja para ser santificado ou aperfeiçoado. Nós precisamos permitir que o mesmo Cristo que nos justificou também nos santifique, que opere em nós através do seu Espírito Santo e nos faça produzir frutos de justiça, não porque temos algo de bom em nós, mas porque estamos ligados a ele, a videira verdadeira que produz bons frutos (Jo. 15).

LIBERTAÇÃO FINAL NA GLORIFICAÇÃO

Ao não entender o estágio da santificação no processo da salvação, Félix se amedrontou ao ouvir a parte final do sermão de Paulo. O apóstolo diz que haverá um dia de acerto de contas onde aqueles que estão salvos em Jesus, serão salvos de si mesmos e do conflito que impera dentro de cada homem. Quando o que é mortal se tornar imortal e o que é corruptível se tornar incorruptível (I Co. 15:54). Esse dia será glorioso para os redimidos, pois o conflito que os incitava dia e noite irá cessar uma vez que Cristo removerá de nossa natureza pecaminosa.

Assim como necessitamos exclusivamente de Cristo na justificação e na santificação, assim também o é na glorificação, pois nenhum de nós temos poder para nos glorificar, nos alterar a ponto de remover de nós a natureza pecaminosa com a qual todos nascemos. Mas isso é possível pelo poder de Deus através de Jesus Cristo (I Co. 15:57). É Ele que nos garante a vitória sobre o pecado e as recompensas daqueles que se achegaram a Cristo e confiaram que seu poder era suficiente para justificar, santificar e glorificar.

Félix temeu, pois sabia quem era; quão mal era sua vida e quantos pecados possuía. Ele temeu porque não confiou e não aceitou que Cristo era poderoso para fazer tão grandioso trabalho. Se não consegue permitir que Cristo o justifique, tão pouco permitirá que ele o santifique e por fim, não confiará sua vida a ele para que o glorifique.

CONCLUSÃO

A salvação é o tema geral de toda a Bíblia. De Gênesis a Apocalipse, Deus tem o cuidado de manter visível todo o processo da salvação “para que todo o que nele [Jesus] crer, não pereça, mas tenha a vida eterna. ” Isso é o que importa: ser salvo por Jesus.

É a justiça de Jesus Cristo que me habilita a ser salvo; sua vida justa e não a minha, seu poder e não o meu, suas obras e não as minhas. É sua atuação, através do Espírito Santo, que me mantém salvo; me transforma a cada dia, me faz uma nova criatura, me capacita a obedecer, me faz produzir frutos de justiça. É o poder de Deus através de Cristo que me tornará salvo para sempre através da eternidade; que destruirá o pecado em mim e me fará vencedor nesse conflito que me assedia dia a dia. Essa é a salvação completa doada por Deus. É o maravilhoso processo da salvação em Jesus.

Você decide hoje permitir que Deus te salve através da sua justiça, da sua atuação e do seu poder? Gostaria de se render a Cristo, entendendo que tudo o que havia de ser feito para você ser salvo, já foi feito por Ele?

Não tenha medo como o governador Félix, aceite agora esse maravilhoso processo da salvação e viva uma vida feliz ao lado do seu Salvador.

Anúncios
Esse post foi publicado em Bíblia, Esperança, Salvação, Sermões e marcado , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s