Eu Sei em Quem Tenho Crido


lion-of-judahQuantas vezes já passamos por dificuldades e sofrimentos em nossa vida? Problemas tais que poderíamos considerar como o vale da sombra da morte que Davi relata nos Salmos. Quando passamos pelo problema e olhamos para trás é fácil dizer que foi difícil, mas passou; não sentimos realmente a dor pela qual passamos. Depois que vencemos a tribulação é fácil ter um sentimento de esperança e de fé. O difícil é sentir esse alívio quando estamos encarando de frente as tempestades da vida.

Paulo, pelo seu empenho em propagar o evangelho, estava preso em Roma. E agora distante das igrejas que havia fundado, começa a escrever a algumas delas e a seus líderes. Um destes era Timóteo, pastor na igreja de Éfeso. Ao escrever a Timóteo ele fala sobre seu sofrimento e como estava lidando com isso:

[…] o evangelho, para o qual eu fui designado pregador, apóstolo e mestre e, por isso, estou sofrendo essas coisas; todavia, não me envergonho, porque sei em quem tenho crido e estou certo de que ele é poderoso para guardar o meu depósito até aquele Dia. (2 Timóteo 1:10b-12).

As palavras paulinas são muito interessantes, pois, apesar de passar por grande sofrimento, ele mantinha sua fé intacta ao ponto de dizer que não se envergonhava do que estava passando. Paulo estava firme na fé e a fonte dessa firmeza é dito por ele mesmo: “sei em quem tenho crido”. Paulo não apenas tinha fé em Deus, mas sabia que o seu Senhor era poderoso para guardar o seu depósito até o último Dia. Essa convicção era o que mantinha Paulo firme na fé.

GUARDAR

A palavra “guardar” foi traduzida da palavra grega “phulasso”. Esta palavra aparece outras vezes na Bíblia como em Judas 24 que mostra que Deus é poderoso para nos guardar de tropeços. Phulasso traz também outros significados. Esta palavra pode ser traduzida por vigiar. Paulo afirma que Deus é capaz de vigiar seu depósito, não como um guarda que dorme em serviço, mas um vigilante que dá sua própria vida, se necessário, para proteger este depósito.

Aliás, proteger é outra tradução de phulasso. Não apenas vigiar, mas o conceito de proteger, de colocar o depósito em lugar a salvo de perigos é o que Paulo está apoiando. O Apóstolo sabia em quem estava crendo, e que este maravilhoso Senhor era suficientemente capaz de proteger o seu depósito. Muito mais do que um grande exército, ou cofres, ou muralhas, ou torres, ou castelos, o aço, ou qualquer material, humano ou não, Deus é capaz de guardar, de proteger este precioso depósito.

Embora o conceito de proteger e vigiar definam bem o que Paulo queria dizer com “phulasso”, outro termo esclarecesse mais ainda o conceito. Phulasso pode ser traduzida por “defender”. Defender e proteger parecem a mesma coisa, contudo defender vai mais além do que apenas proteger. Defender implica em atacar, não apenas recuar, mas avançar. O que podemos entender desses três termos é que Paulo queria dizer que Deus faria de tudo (vigiar, proteger e defender) para manter o depósito a salvo, isso é guardar.

DEPÓSITO

A pergunta a se fazer agora é que depósito importante é esse que Paulo entregou aos cuidados de Deus? A palavra utilizada para depósito é “paratheke”, que invoca a ideia de um bem confiado a outro. Este bem poderia ser sua vida, ou o testemunho do evangelho. Seguindo o contexto podemos dizer que o bem que Paulo confiou a Deus e a própria confiança em Deus. A sua confiança em Deus era um bem importante que Paulo possuía, mas não só a confiança, como também a esperança. Esperança de concluir a obra do evangelho, mesmo após sua morte, esperança de ressurreição diante da morte, esperança de ver o Mestre face a face, esperanças que motivaram o coração e o trabalho de Paulo durante anos de ministério.

Por fim podemos dizer que seu bem maior era sua fé em Cristo. Diferentemente de apenas confiar, fé é ainda crer e se entregar. A fé em Cristo é o que mantinha Paulo firme diante das tribulações, ao mesmo tempo que sua forte convicção de que Deus protegia e defendia essa mesma fé, o fortalecia ainda mais na angústia. Este era o segredo de Paulo, ter uma fé forte protegida por Deus.

O Senhor não apenas pede que nós tenhamos fé nEle, Ele ainda protege e defende essa fé. Ele faz de tudo para que continuemos a crer nEle, quer seja pela sua fidelidade e amor ou por sua justiça, Deus sempre demonstra a nós e aos outros que vale a pena ter fé nEle.

RESPONSABILIDADE HUMANA E DIVINA

Paulo dá ênfase na sua confiança em Deus ao afirmar que Este é poderoso para guardar seu depósito. Paulo tinha plena convicção de que o Senhor era responsável suficiente para não o desapontar, em manter sua fé viva e firme, livre do perigo de desmoronar diante dos sofrimentos. Contudo, embora conceda a prerrogativa de guardar a Deus, o mesmo Paulo pede a Timóteo que guarde “o bom depósito”, ou “o que te foi confiado” (1Tm 6:20, 2Tm 1:14).

É notório que Paulo entendia que manter a fé a salvo era dever não apenas do Eterno, mas dele próprio. É nosso dever lutar para defender nossa fé em Deus, de manter nossa esperança nEle a salvo das intempéries do mundo. Obviamente essa é uma tarefa que mortal algum poderia levar com êxito por muito tempo, ainda mais durante uma terrível angústia. Felizmente o Apóstolo Paulo revela a chave para manter o êxito nessa importante tarefa. Timóteo, assim como nós, devia guardar o depósito mediante o Espírito Santo.

O Santo Espírito de Deus deve ser o responsável por nos usar ao ponto de podermos proteger e defender a nossa fé em Deus, a nossa esperança de reencontra-lo e de passarmos do tempo de angústia para a abençoada eternidade. O Espírito é que tem o poder de nos dar forças para fazermos nossa parte em proteger nossa fé. Devemos, portanto, buscar diariamente ter comunhão com Ele permitindo que faça sua obra em nós.

CONCLUSÃO

Paulo não se envergonhava do seu sofrimento e nem o temia, pois sabia que Deus estava guardando o seu depósito. Ele entendia que Deus vigiava, protegia e defendia seu bem mais valioso que era sua confiança, esperança e fé em Deus. Obviamente sabia que apesar de Deus fazer todo esforço para defender sua fé, essa também era sua prerrogativa e que, apenas através da atuação do Espírito Santo em sua vida, seria capaz de obter êxito nessa enorme tarefa.

Assim como Paulo, se quisermos vencer a tribulação, temos que confiar que Deus fará tudo ao seu alcance para mantar nossa fé viva e forte e temos que defender nossa própria fé, permitindo que o Espírito Santo opere em nós nos dando força para nos manter perseverantes.

A cada dia passamos por dificuldades, mas estas tempestades não precisam afundar nossos barcos. A pergunta a se fazer é: você sabe em quem tem crido?

Você deseja entregar sua confiança e fé nas mãos do Criador? Que você possa lutar em defender sua fé e se acalmar durante o sofrimento, pois Deus é poderoso para proteger a sua fé até o Dia final.

Anúncios
Esse post foi publicado em Sermões e marcado , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s